Quarta, 28 Agosto 2013 17:56

Seminário marca 34 anos da Lei de Anistia

Da Agência Senado -  

 

Os 34 anos da promulgação da Lei de Anistia foram lembrados nesta quarta-feira (28) em seminário promovido pela Subcomissão da Memória, Verdade e Justiça, da Comissão de Direitos Humanos do Senado (CDH) e pela Comissão Especial das Leis de Anistia, da Câmara dos Deputados. Cobranças de mais agilidade na concessão de indenizações a anistiados e críticas ao perdão concedido a agentes do Estado que cometeram crimes durante a ditadura militar marcaram as manifestações na abertura do evento.

Promulgada ainda durante o regime militar, em 26 de agosto de 1979, a Lei 6.683/79 foi resultado de intensa mobilização popular pela volta ao país de exilados políticos. Em seu artigo 1º, concede anistia aos que cometeram, entre 1961 e 1979, crimes políticos ou conexos a estes, aos que tiveram direitos políticos suspensos e a servidores públicos, militares e dirigentes sindicais punidos com base nos atos institucionais baixados durante o regime militar.

O período coberto pela anistia política foi depois ampliado, passando a ser de 1946 até 1988, conforme determina a Lei 10.559/2002.

Conforme a presidente da CDH, senadora Ana Rita (PT-ES), o seminário buscou reavivar na memória nacional a luta dos que se opuseram à ditadura militar e também apoiar movimento pelos direitos de anistiados e de familiares dos que foram mortos pelo regime autoritário.

– Queremos tornar públicas as dificuldades enfrentadas pelos anistiados e poder contribuir para acelerar esse processo – enfatizou Ana Rira.

Também o presidente da Subcomissão da Memória, Verdade e Justiça, senador João Capiberibe (PSB-AP), fez um apelo à ministra do Planejamento, Mirian Belchior, para que libere as indenizações devidas a diversos anistiados que ainda aguardam pelo beneficio.

Capiberibe lembrou sua situação de exilado político quando da aprovação da Lei da Anistia e a grande expectativa pelo retorno ao país, mas observou que muitas das dúvidas que existiam naquela época, sobre o cumprimento da lei, ainda persistem.

Uma das mais polêmicas diz respeito à interpretação dada ao artigo 1º da lei, de forma a enquadrar como conexos aos crimes políticos crimes como os de tortura e execução de presos políticos. Com base nessa interpretação, foram anistiados agentes policiais, militares e outros que, a serviço do Estado, foram apontados como responsáveis por esses crimes.

Durante o seminário, a deputada Luíza Erundina (PSB-SP) defendeu projeto de sua autoria (PL 573/2011) que prevê a “interpretação autêntica” do parágrafo 1º da Lei de Anistia.

Para a senadora Ana Rita, é importante que a Comissão Nacional da Verdade (CNV), criada em 2011, no âmbito da Casa Civil da Presidência da República, tenha amparo legal para esclarecer todos os fatos ocorridos durante o regime militar e também para propor desdobramentos, frente à verdade que for revelada.

– A lei precisa garantir que o que for proposto pela Comissão Nacional da Verdade seja operacionalizado – disse.

bannerda tv

PRESTAÇÃO DE CONTAS 2017

00000001

capi sustentavel

livro morte nas aguas

capi youtube
Sua ideia pode virar Projeto de Lei

Newsletter

  1. Twitter

Endereço

Ala Sen. Afonso Arinos - Gab. 08
CEP: 70.165-900 Brasília/DF
Telefone: (61)3303-9011
Fax: (61)3303-9019
Email:  O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.