A estrutura da Comissão Executiva Nacional do PSB, eleita durante o 14º Congresso Nacional do partido, no último final de semana, apresenta importantes inovações.

Uma vice-presidência foi criada para ampliar a participação das mulheres na Executiva e será ocupada pela senadora Lídice da Mata (BA). A nova função foi proposta pelo segmento de Mulheres, durante a primeira reunião do Diretório Nacional.

O nome e o escopo dessa vice-presidência ainda serão definidos. As questões de gênero, raça, etnia e diversidade foram alguns dos temas propostos pelos socialistas durante a reunião.

Outra vice-presidência criada, a de Modernização Partidária, ficará a cargo do senador João Capiberibe (AP), e vai tratar do aperfeiçoamento da comunicação entre os filiados, em todas as instâncias, por meio de meios digitais.

Foram instituídas ainda as vice-presidências nacionais de Relações Parlamentares, sob o comando do deputado federal Danilo Cabral (PE), e a de Relações Federativas, ocupada por João Campos, atual chefe de gabinete do governador de Pernambuco, Paulo Câmara.

Assessoria de Comunicação/PSB Nacional


Gestão Compartilhada foi o principal tema do debate sobre novas tecnologias e mecanismos de democracia participativa na manhã desta sexta-feira (2) no XIV Congresso Nacional do PSB, em Brasília. A plenária sobre o assunto foi coordenada pelo senador João Capiberibe (PSB/AP) e teve a relatoria do presidente da BSB Ativos, empresa do Conglomerado BRB, Alexandre Navarro.

Capiberibe é autor do Projeto de Lei do Senado (PLS) 325/2017, já aprovado pelo Senado, que institui o mecanismo de gestão compartilhada para acompanhamento orçamentário, financeiro e físico da execução de obras, prestação de serviços e compras de materiais e equipamentos pelo poder público. O texto está em análise na Câmara dos Deputados com a numeração PL 9617/2018.

“O Projeto de Lei da Gestão Compartilhada é uma experiência construída genuinamente no Amapá, onde cidadãos reunidos em grupos de WhatsApp acompanham as emendas parlamentares do nosso mandato. Agora o projeto está caminhando para virar Lei, que entrará em vigor para todo o País”, destacou o senador Capiberibe.


O senador, que também autor da Lei Complementar nº 131/2009, a Lei da Transparência, afirmou que a ação de acompanhar os recursos públicos ainda gera resistência dos entes públicos, mas que é fundamental a sistematização da participação popular e do controle social. “Na sociedade brasileira, a luta pela participação da sociedade é um avanço democrático. Precisamos trazer o uso sistemático e militantes das novas tecnologias para o nosso partido”, explicou.

A deputada federal Janete Capiberibe (PSB/AP) ressaltou que a Gestão Compartilhada teve como laboratório o Estado do Amapá. “Tudo começou com a Lei da Transparência, agora temos a Gestão Compartilhada. Controle social e democracia participativa são fundamentais para a formulação de políticas públicas”. Ela também lembrou que foi o senador Capiberibe o responsável pela criação de uma Comissão de Transparência no Senado. “A Comissão de Transparência, Governança, Fiscalização e Controle e Defesa do Consumidor (CTFC) é a 13ª Comissão Permanente do Senado e trata de temas como combate à corrupção e fiscalização dos gastos públicos.

Alexandre Navarro enfatizou que o PSB é cara do novo e acompanha as novidades tecnológicas. “Esse é um modelo de democracia real e é o povo quem define as ações políticas”.

Delegadas e delegados socialistas do Amapá relataram experiências da aplicação prática da Gestão Compartilhada no acompanhamento de projetos e obras executados com emendas orçamentárias dos dois parlamentares do PSB. Afirmaram que esta forma de participação cidadão dá mais agilidade nas respostas do poder público, barateando o custo e melhorando a qualidade das execuções.  

Controle Social – O Projeto de Lei que institui a gestão compartilhada, que é um passo adiante da Lei da Transparência. A ideia é ampliar a fiscalização por parte da própria sociedade civil de forma organizada. Um instrumento importante de combate à corrupção e de melhora na gestão pública. A gestão compartilhada permite a transparência total e absoluta sobre os recursos que são do cidadão, mas administrados pelo poder público.

O objetivo do projeto é o acompanhamento orçamentário por grupos de cidadãos organizados em aplicativos de celular, como, por exemplo, o WhatsApp. Aqueles que desejarem fazer o acompanhamento de um projeto, se organizam em um grupo de WhatsApp. O órgão público também é obrigado a colocar um agente seu no grupo para prestar informações. A partir daí, o grupo passa a fiscalizar o passo a passo de uma obra ou serviço.

Mas vale ressaltar que, mesmo não sendo uma lei ainda, a gestão compartilhada já apresenta resultados concretos no Estado do Amapá. Com a implementação da gestão compartilhada, as obras que estão sendo monitoradas por meio deste modelo foram concluídas em tempo mais rápido que o previsto e com sobra de recursos.

 

Fotos: Rafael Nunes
Humberto Padrera

A convite da Negritude Socialista Brasileira (NSB), Capiberibe falou do PLS 160/2013, de sua autoria que prevê a destinação de no mínimo cinco por cento dos recursos do Fundo Partidário para a promoção da participação política dos afrodescendentes.  O projeto está na Câmara dos Deputados com a numeração  de PL 8350/2017.

“Não se faz políticas públicas sem orçamento, por isso a importância em investir no trabalho da negritude para romper com as diferenças e a discriminação. Peço o apoio e a ampla mobilização da NSB para que o projeto seja aprovado na Câmara dos Deputados”, afirmou o senador Capiberibe.

A deputada Janete Capiberibe (PSB) também lembrou que é importante eleger companheiros compromissados com as políticas públicas da negritude. “Nós socialistas não podemos abrir mão dos nossos princípios, da bandeira da negritude e acima de tudo, da justiça social e da igualdade. Com isso, vamos trabalhar na aprovação do PL 160 para garantir recursos para subsidiar as ações da negritude”, destacou.

Os dois parlamentares socialistas foram homenageados pela NSB  com o Prêmio Afro Eduardo Campos, concedido aos que tiveram atuação fundamental na luta permanente da NSB por liberdade, justiça, igualdade e qualidade de vida para o povo negro.

 PLS 160 – Estudo realizado pela União de Negros pela Igualdade revelou que, embora as bancadas afrodescendentes nas Casas do Congresso Nacional tenham aumentado nas eleições de 2010, o crescimento ainda é modesto, visto que foram eleitos apenas quarenta e três deputados federais e dois senadores negros. Além disso, em sete Assembleias Legislativas Estaduais não há parlamentares declaradamente negros: Amazonas, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Paraná, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

 “O PLS 160/2013 certamente constitui uma ação concreta e eficaz em prol da inserção política dos negros e da promoção da igualdade racial, minimizando práticas discriminatórias em relação ao povo negro na sociedade brasileira”, afirmou Capiberibe.

Pagina 20 de 24
bannerda tv

PRESTAÇÃO DE CONTAS 2017

00000001

capi sustentavel

livro morte nas aguas

capi youtube
Sua ideia pode virar Projeto de Lei

Newsletter

  1. Twitter

Endereço

Ala Sen. Afonso Arinos - Gab. 08
CEP: 70.165-900 Brasília/DF
Telefone: (61)3303-9011
Fax: (61)3303-9019
Email:  O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.