SenadorCapi-Senador
login
Itens filtrados por data: Fevereiro 2013 - João Capiberibe
Quinta, 28 Março 2013 21:00

Nota de pesar

 



O grave acidente que ocorreu na madrugada desta quinta-feira, 28, no terminal portuário da empresa Anglous Ferrous, em Santana, que enlutou a família de seis trabalhadores nos deixou consternados.
Em Brasília tomamos as providências cabíveis ao nosso alcance comunicando oficialmente as autoridades federais.

Acionamos o ministro dos Portos, Leônidas Cristino, relatamos o trágico acidente e solicitamos a ele que deslocasse uma equipe da Secretária Nacional dos Portos para acompanhar o caso. 

Manifestamos as nossas condolências e nos solidarizamos com as famílias, amigos e colegas dos seis trabalhadores da Anglous Ferrous e rogamos a Deus que tenham o conforto merecido em seus corações, neste momento difícil, bem como forças para transformar toda a dor desta perda irreparável em fé e esperança.

Senador João Capiberibe e deputada federal Janete Capiberibe

--

Publicado em Notícias
Quarta, 27 Março 2013 18:44

Recursos para a pesca no Amapá

 

 

 

O Ministério da Pesca e Aquicultura (MPA) vai financiar diversos projetos de interesse dos pescadores, catadores e marisqueiros do Estado do Amapá. O senador João Capiberibe (PSB/AP) procurou o ministro Marcelo Crivella, na quarta-feira, 27, com quem discutiu as propostas e articulou a liberação dos recursos.

 

Serão apoiados pelo MPA projetos como a construção de uma Unidade de Produção de Alevinos de Peixes, piscicultura em tanque-rede, que introduz a engorda de peixes em tanque-rede na Região dos Lagos, bem como a aquisição de embarcação frigorífica para escoamento da produção.

 

Capiberibe demonstrou interesse também em articular, junto ao Governo do Amapá, a adesão ao ‘Plano Safra Pesca e Aquicultura’, conforme sugestão do ministro Crivella, que beneficiará pescadores artesanais, catadores e marisqueiros de todo o Estado.

Publicado em Notícias

128

 

O senador João Capiberibe (PSB/AP) foi recebido na quinta-feira, 21, pelo presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Marcus Vinicius Furtado, para tratar de parceria para a divulgação da Lei 131 – Lei da Transparência – que completa quatro anos no próximo dia 27 de maio.

 

A intenção é ressaltar a importância do cumprimento da Lei, que chega agora à sua totalidade, ou seja: todos os municípios com menos de 50 mil habitantes serão obrigados a disponibilizar, em tempo real na internet, todas as suas receitas e despesas.

 

A OAB abraçou a causa que é, inclusive, bandeira de gestão da nova diretoria. Para marcar a prazo limite para cumprimento da Lei da Transparência, a OAB realizará o seminário “Por um Brasil Transparente”, destinado a formadores de opinião, particularmente a imprensa nacional.

 

O evento ocorrerá no dia 27 de maio de 2013, no auditório da Ordem, em Brasília e terá apresentações do criador da Lei 131, senador Capiberibe, o presidente da OAB, Marcus Vinicius Furtado, e o diretor da ONG Contas Abertas, Gil Castello Branco.

Publicado em Notícias

moreira franco

 

A conclusão do último trecho da rodovia Norte/Sul, em Macapá, finalmente será liberada. O ministro da Secretaria de Aviação Civil (SAC), Moreira Franco, garantiu ao senador João Capiberibe (PSB/AP) nesta terça-feira, 26, que vai a Macapá, possivelmente, na próxima semana, para inaugurar a reforma no Aeroporto Internacional Alberto Alcolumbre e assinar o acordo que permite ao Governo do Estado finalizar a rodovia Norte/Sul.

 

A questão tem sido tratada em regime de prioridade pelo senador Capiberibe, que buscou a solução do problema junto à ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffman, e ao ex-ministro da Aviação Civil, Wagner Bittencourt, substituído no último dia 20 por Moreira Franco.

 

Capiberibe mostrou a foto do engarrafamento que afeta os moradores de Macapá nos horários de pico ao ministro e apresentou a urgência da questão.

 

“O governador agiu com grande competência, já concluiu o 1º e o 2º trecho, e a rodovia já estaria entregue à população, se não fora a lentidão da Secretaria em liberar o 3º trecho da obra” – destacou Capiberibe.

 

A conclusão do último trecho da rodovia Norte/Sul vai desafogar o tráfego em toda a cidade, beneficiando diretamente cerca de 60 mil moradores.

 

 

Serviço:

Conclusão da Rodovia Norte/Sul

Senador João Capiberibe

Twitter: @joaocapi / @capinosenado

Facebook: http://www.facebook.com/senadorcapi#!/senadorcapi

Blog: http://www.joaocapiberibe.com.br/

 

Publicado em Notícias

 

capi2

 

 

O caos do trânsito na Zona Norte de Macapá está perto do fim. O senador João Capiberibe (PSB/AP) está junto ao Governo do Amapá, buscando a agilidade da conclusão do último trecho da rodovia Norte/Sul, que vai desafogar o tráfego naquela região, beneficiando diretamente cerca de 60 mil moradores.

 

A questão tem sido tratada em regime de prioridade pelo senador Capiberibe em audiências que já ocorreram com a ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffman, o ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra, e o ex-ministro da Aviação Civil, Wagner Bittencourt, substituído por Moreira Franco, no último dia 20.

 

Assim que o novo ministro assumiu a Secretaria de Aviação, João Capiberibe agendou audiência para tratar da conclusão da Norte/Sul. O encontro ocorrerá nesta terça-feira, 26/03.

 

- Vou mostrar ao ministro a foto do engarrafamento que afeta os moradores de Macapá nos horários de pico e pedir urgência na liberação do último trecho da obra, que tem começo, meio, mas o final depende da Secretaria de Aviação Civil. Esta construção tem sido tratada por mim como prioridade absoluta – disse o senador.

 

Parceria

Nesta segunda-feira, 25, o governador Camilo Capiberibe (PSB), o prefeito de Macapá, Clécio Luis (PSOL), e os senadores João Capiberibe (PSB/AP) e Randolfe Rodrigues (PSOL/AP) anunciaram parceria para o que João Capiberibe chamou de “um pacto político e administrativo pela reconstrução física e ética de Macapá”. O anúncio foi feito no Palácio do Setentrião, no Centro da Cidade.

 

“A união das partes é maior que o todo. Juntos, Governo, Prefeitura e nós no Congresso Nacional, traremos melhores e mais resultados para o nosso povo” – afirmou Capiberibe.

 

De acordo com o governador Camilo, a primeira ação será fortalecer a operação tapa-buracos efetivada pela Prefeitura de Macapá. “Focos importantes de ação imediata serão limpeza urbana e saúde” – destacou.

 

O senador Randolfe ratificou o pacto político dizendo que “esta parceria entre os poderes é profunda e duradoura, teve origem no passado, por meio da aliança firmada em 2010 e 2012, se concretiza no presente, com esta cerimônia, e aponta para o futuro”.

 

Já o prefeito Clécio garantiu que a Saúde da população está no plano emergencial e ressaltou o apoio do Governo do Estado para colocar os postos em pleno funcionamento. "Nós precisamos resgatar a credibilidade no sistema municipal de saúde, de transporte e educação” – destacou.

 

Para a internauta Ana Zilda Nascimento, os representantes estão dando uma demonstração de compromisso com o povo do Amapá. Na página do senador Capiberibe, ela postou que “quem ganha com isto é a população”.

 

Já o macapaense Marivaldo Tavares afirma nunca ter duvidado que o bem sempre vence o mal.  “Dá para todo o povo ver as inúmeras ações do governador Camilo. O prefeito Clécio tem pouco tempo de gestão, mas percebe-se que tem boa vontade. Randolfe é competente e honesto e o senador Capiberibe é sem comentários, especialmente por ser autor de uma lei que inibe a corrupção, alcançando até as próximas gerações”.

 

randolfe camilo clcio e senador capi

 

Serviço:

Parcerias pelo povo do Amapá

Senador João Capiberibe

Twitter: @joaocapi / @capinosenado

Facebook: http://www.facebook.com/senadorcapi#!/senadorcapi

Blog: http://www.joaocapiberibe.com.br/

 

Publicado em Notícias
Sexta, 22 Março 2013 10:11

FPE: Senadores do AP lutam contra perdas

capi randolfe sarney e secretrios do ap - cpia

 

O senador João Capiberibe (PSB/AP) tem lutado para garantir que o Amapá não seja prejudicado na partilha do Fundo de Participação dos Estados (FPE). Ele e o senador Randolfe Rodrigues (PSOL/AP) foram incansáveis na batalha para adiar a votação do substitutivo sobre o FPE, de autoria do senador Walter Pinheiro (PT/BA), prevista para a próxima semana.

 

Para evitar a perda, Capi e Randolfe também procuraram o senador José Sarney (PMDB/AP), juntamente com técnicos da Receita do Amapá, para apresentar estudo demonstrativo das perdas, que chegarão a R$100 milhões, caso o substitutivo seja aprovado. 

 

A intenção dos dois senadores é ajustar a proposta do relator de maneira que o Amapá fique em melhor posição no ranking dos Estados. O principal ponto do Fundo de Participação dos Estados, assegurado na Carta Magna, é o de promover o equilíbrio socioeconômico entre os estados, possibilitando ao Brasil caminhar rumo ao fim das desigualdades.

 

Hoje, o Amapá tem o 26˚ PIB do país, 14˚ lugar no ranking de desenvolvimento humano. Em 50 anos de FPE, o Estado teve o PIB estagnado, enquanto a Bahia se tornou a 6ª maior economia. Mesmo com o crescimento da arrecadação tributária, ainda assim, o Amapá está longe de cobrir as perdas de repasse do Fundo, segundo a Secretaria da Receita Estadual.

 

- O Amapá depende de 70% do FPE para compor a sua receita, sendo o Estado mais dependente destes valores em todo Brasil. O substitutivo como está é injusto e compromete o desenvolvimento do nosso Estado – preocupa-se João Capiberibe.

Publicado em Notícias

 

022

 

O senador João Capiberibe (PSB/AP) está junto ao Governo do Amapá, empenhado na retomada do projeto da fábrica de beneficiamento de camarão do Igarapé da Fortaleza.

 

O parlamentar tratou do assunto com o ministro da Integração, Fernando Bezerra, na quinta-feira, 21, de quem recebeu garantia da liberação dos recursos para este e outros projetos estruturantes no Estado.

 

- O objetivo é colocar a fábrica para funcionar, melhorar e avançar, em benefício dos pequenos produtores, dos comerciantes e da população local – destacou Capiberibe.

 

A iniciativa é uma das ações de desenvolvimento sustentável implementadas quando Capiberibe foi governador do Estado e estão sendo retomadas. Além dos investimentos no beneficiamento de camarão do Igarapé da Fortaleza, localizado na divisa entre Macapá e Santana/AP, estão incluídas obras de saneamento e revitalização da Rodovia JK.

 

Publicado em Notícias
Quarta, 20 Março 2013 11:04

Solidariedade a Capiberibe e Randolfe

 

Saiba o que disseram os senadores sobre as armações políticas dos que tentam retomar o poder a qualquer custo, no Estado do Amapá.

 

Em apartes ao senador João Capiberibe (PSB/AP) nesta terça-feira, 19, parlamentares se pronunciaram sobre as acusações criminosas (suposto ‘dossiê’), inexplicavelmente encaminhadas pela presidência do Senado Federal à Procuradoria Geral da República (PGR).

 

Senador Jorge Viana (PT/AC)

“Conheço bem a luta dos senhores, de Vossas Excelências no Amapá. Conheço bem as vitórias que lá não bastam nas urnas, têm que ser nos tribunais, têm que ser na opinião pública, têm que ser no pós-eleitoral e fiquei estarrecido de ver que, mais uma vez, se levanta contra Vossa Excelência, senador Capi, um esquema no sentido de tentar atingir aquilo que Vossa Excelência tem como poucos homens públicos neste País: a dignidade e princípios éticos”.

 

Paulo Paim (PT/RS) – (Presidente da Sessão)

“Senador Capiberibe, só para dizer que vou lhe dar o tempo necessário e que as palavras do senador Jorge Viana sejam também a fala deste presidente”.

 

Rodrigo Rollemberg (PSB/DF)

“Senador Capiberibe, Senador Randolfe, eu quero lhes dizer que Vossas Excelências não precisariam nem perder tempo trazendo explicações sobre essas mentiras que estão sendo reproduzidas em alguns veículos de comunicação. O Senado Federal e o Brasil conhecem Vossas Excelências, têm acompanhado a trajetória de Vossas Excelências e sabem que, entre os políticos das últimas gerações, foi o político mais injustiçado deste país. Um homem íntegro, correto, honesto, que fez um grande governo, que iniciou um processo histórico de transparência nas contas públicas e teve o seu mandato cassado porque teve a coragem de enfrentar o crime organizado em seu Estado”.

 

Lídice da Mata (PSB/BA)

“Senador Capiberibe, para me colocar ao lado de Vossa Excelência e do senador Randolfe em mais essa batalha. Aliás, eu tive a oportunidade de ir ao Amapá diversas vezes durante o seu governo, acompanhar sua luta, sua resistência, resistência ao crime organizado naquele Estado, resistência às práticas de corrupção. E não à toa, hoje, nós vemos a reviravolta que está sendo feita na política do Amapá, porque o povo não concorda com a prática dessa gente.


Vossa Excelência nunca deixou de ter a Bahia, tanto o seu partido na Bahia, como diversos outros partidos progressistas, ao seu lado, quando, por diversas vezes, estivemos a denunciar as perseguições vividas por Vossa Excelência naquele Estado e a firmeza de posições políticas e ideológicas com que sempre as enfrentou. E, agora, a tentativa de colocar nesse mesmo barco de nódoa, de práticas corruptas, Vossa Excelência e o Senador Randolfe, poderia até ser engraçada, não fosse a tragédia que atinge o povo do Amapá com a presença na política dessas figuras. Muito obrigada”.


Antonio Carlos Valadares (PSB/SE)

“Senador Capiberibe, senador Randolfe Rodrigues, quero crer que essa campanha difamatória é uma arma utilizada pelos seus adversários na tentativa de contê-los na luta que, juntos, Vossas Excelências empreendem para alterar os mecanismos de corrupção, de violência e de ameaças utilizados por aqueles que os acusam através de notas inseridas nas redes sociais, falsificadas, conforme comprova nota divulgada pelo senador Randolfe Rodrigues. Vossa Excelência, não é de agora, senador Capiberibe, vem sofrendo em consequência dessa luta. Não desista, nem tampouco Randolfe Rodrigues, porque é uma luta sã, é uma luta que conta com a sociedade do Amapá e com o beneplácito de todos os senadores que honram esta Casa. Por isso, a minha solidariedade e o acompanhamento diário desse assunto, porque, se for necessário, estaremos lá instalando uma comissão de senadores para averiguar pessoalmente essas perseguições e essas ameaças de que são vítimas Vossas Excelências”.


Paulo Davim (PV/RN)

“Senador Capiberibe, senador Randolfe, eu não poderia deixar, neste momento, de levar a minha palavra de solidariedade aos dois companheiros, aos dois colegas senadores. Vossa Excelência tem uma história que o Brasil inteiro conhece, nós conhecemos sua conduta, o seu caráter, o seu compromisso com a democracia, fez parte do momento histórico deste País; portanto, o Brasil inteiro conhece sobejamente as suas ações e o seu caráter. Da mesma forma que a história do senador Randolfe também todos nós conhecemos. Assim, eu levo aqui a minha palavra e refuto peremptoriamente qualquer leviandade que estejam levantando contra dois senadores que são exemplos nesta Casa”.

 

Aloysio Nunes Ferreira (PSDB/SP)

“Meu caro senador Capiberibe, quando eu tive conhecimento das torpezas espalhadas contra Vossa Excelência e contra o senador Randolfe Rodrigues, eu me lembrei de muitos anos atrás, quando Vossa Excelência foi governador outra vez, e eu trabalhava com o Presidente Fernando Henrique na Secretaria Geral da Presidência da República. Mesmo esquema. Eu sei da luta que Vossa Excelência travou para quebrar um grupo poderoso, um grupo em que se misturavam interesses políticos com crimes; eu sei da coragem com que Vossa Excelência enfrentou; e agora voltaram à carga. Vossa Excelência pode ficar absolutamente tranquilo, todos nós sabemos que Vossa Excelência é rigorosamente um homem de bem, assim como essa jovem revelação – para nós – da política brasileira que é o nosso querido amigo e companheiro Randolfe Rodrigues. Tenha Vossa Excelência e também o senador Randolfe Rodrigues a minha total, integral solidariedade para o que der e vier.


Jarbas Vasconcelos (PMDB/PE)

“Senhor presidente, eu queria me incorporar ao pronunciamento do senador Randolfe. Primeiro, para estranhar essa agilidade, essa rapidez com que agiu a Presidência contra os dois senadores do Amapá; e dizer que isso, obrigatoriamente, a partir de agora, tem que se tornar uma rotina da Mesa. Eu confio muito em Vossa Excelência como 1º Vice-Presidente. Que qualquer denúncia a chegar aqui, agora, seja de imediato, dentro de 24 horas, encaminhada ao Supremo, à Polícia Federal, a quem quer que seja, para que sejam adotadas as providências. Aí, sim, realmente, isso passa a ser uma coisa inusitada. Isso é uma mudança; ou seja, o que o Presidente fez com relação aos dois Senadores é uma mudança de comportamento. E vamos ver se essa mudança perdura ou se essa mudança foi apenas e tão somente com relação aos dois senadores”

 

Ângela Portela (PT/RR)

“Também quero demonstrar a minha solidariedade aos dois senadores do Amapá, Randolfe e João Capiberibe, dois grandes senadores que muito honram o povo do Amapá e o povo brasileiro. Saibam, queridos senadores, que aqui há um reconhecimento do sério trabalho, da conduta digna de cada um de vocês. Então, quero aqui registrar a nossa solidariedade, o nosso carinho e o nosso respeito à conduta de vocês como Senadores da República do nosso País”. 

 

Ana Amélia (PP/RS)

“Eu estava fora do plenário, mas queria me associar às manifestações do senador Jarbas Vasconcellos, do senador Aloysio Nunes Ferreira e de outros que fizeram uma manifestação de apoio e solidariedade ao senador Randolfe Rodrigues e ao senador Capiberibe. Também, na mesma linha dos senadores que me antecederam, quero dizer que essa providência tem que ser uma providência rotineira e de tratamento igual para todos nesta Casa. A providência – me refiro – tomada pelo Presidente, de encaminhar ao foro competente as denúncias recebidas contra os parlamentares. Mas hipotecar os dois Senadores a minha total solidariedade porque a questão político-eleitoral, a disputa não pode pressupor o enxovalhamento da moral e do patrimônio pessoal de cada parlamentar”.

 

Pedro Taques (PDT/MT)

“Apenas para me associar também ao que disse a senadora Ana Amélia, emprestar ao senador Randolfe Rodrigues e ao senador Capi, falando carinhosamente, diante dessas denúncias. Quero dizer que “pau que bate em Chico também bate em Francisco”, que essa providência do Presidente do Senado seja em relação a todos os casos, que nós possamos ser useiros e vezeiros, termos isso como uma rotina nesta Casa. Assim, quero cumprimentar o Presidente e dizer que a rotina é o melhor caminho. Processo, sistema”.

Publicado em Notícias

Leia a íntegra do discurso do senador João Capiberibe e apartes dos demais senadores, nesta terça-feira, 19/03, em protesto contra as acusações criminosas (suposto ‘dossiê’), inexplicavelmente encaminhadas pela presidência do Senado Federal à Procuradoria Geral da República (PGR).

 

 

O SR. JOÃO CAPIBERIBE (Bloco/PSB – AP. Pronuncia o seguinte discurso. Sem revisão do orador.) – Sr. Presidente Paulo Paim, Srs. Senadores, Sras Senadoras, telespectadores da TV Senado, ouvintes da Rádio Senado, o assunto que me traz a esta tribuna neste dia de São José, padroeiro da minha cidade, padroeiro da cidade de Macapá, diz respeito a mais uma armação perpetrada contra mim, envolvendo também o Senador Randolfe Rodrigues, armação organizada por políticos adversários que tentam retomar o poder no Amapá a qualquer custo. Por isso, uso a tribuna para ler uma carta que o Senador Randolfe Rodrigues enviou a cada Senadora e a cada Senador desta Casa, em que desmonta esse dossiê que, eu tenho certeza, nesta Casa, todos tomaram conhecimento:

 

Prezado Senador,

Em cumprimento à máxima que dita que à mulher de César não basta ser honesta, deve parecer honesta, venho à sua presença esclarecer os fatos narrados, em absurdo e descabido "dossiê", que foi entregue nos gabinetes de cada um dos senhores e senhoras Parlamentares desta Casa.

 

Trata-se de produção de um grupo político amapaense, ligado diretamente aos indiciados na Operação Mãos Limpas, da Polícia Federal, que vem utilizando-se de dados grosseiramente criados e falsificados para divulgar graves calúnias a meu respeito.


Tais calúnias tiveram início durante a campanha eleitoral para a Prefeitura de Macapá, quando este grupo enviou para os principais veículos de comunicação do País, recibos forjados que provariam que eu haveria recebido um "mensalão" quando Deputado Estadual, com a finalidade de votar favoravelmente aos projetos de interesse do Poder Executivo Estadual, à época comandado pelo Senador João Capiberibe.


Como se verifica, tais denúncias não tiveram a repercussão que meus adversários queriam, talvez até mesmo pelo absurdo que significaria o recebimento de propina com recibo assinado pelo corrupto e elaborado pela própria Casa Legislativa. [Seria o primeiro caso de corrupção, não é Senador? Só faltou registrar em cartório.] No entanto, apesar da pouca repercussão, em virtude da gravidade das falsas denúncias, ingressei com pedido de abertura de inquérito policial junto à Polícia Federal no Amapá para que fosse apurada a falsidade dos documentos apresentados como sendo "recibos", bem como a ocorrência dos crimes de calúnia, injúria e difamação.

 

Além dessa medida, ingressei com pedido de investigação junto ao Ministério Público Federal para que fossem apuradas todas as denúncias que existem contra mim.

 

Embora acreditasse que diante das medidas tomadas tal grupo encerraria com a tentativa de achincalhe que estava perpetrando contra mim, fui surpreendido com a divulgação do referido "dossiê", acompanhado de uma "notitia criminis" endereçada ao Presidente do Senado Federal e ao Presidente do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar dessa Casa acusando a mim e ao Senador João Capibaribe de diversos crimes, todos eles relacionados ao alegado recebimento de dinheiro público para a votação de projetos de interesse do então Governador do Estado do Amapá. [Eu acrescentaria, aqui, a vossa carta, que esse dossiê também foi encaminhado ao Supremo Tribunal Federal.]

 

Tal documento, todo ele baseado em informações falsificadas e manipuladas, tem a clara finalidade de me causar constrangimento e, sem qualquer sombra de dúvida, está diretamente ligado à disputa política local, já que busca atingir a duas importantes lideranças amapaenses que, nem de longe, foram alvo da Operação Mãos Limpas, numa tentativa de colocá-los no mesmo nível de seus aliados.

 

Além das medidas acima citadas, protocolizei requerimento de informações na Assembléia Legislativa do Estado do Amapá com base na lei de acesso à informação, solicitando cópias de todos os comprovantes de pagamento em meu nome, bem como de todos os recibos que porventura tenha assinado durante meu mandato como Deputado Estadual.

 

Da mesma forma, estou providenciando os extratos de minha conta bancária por todo esse período, o que comprovará que recebia da Assembléia Legislativa tão somente meu salário de deputado, sem qualquer tipo de acréscimo ou "acordo" com o Poder Executivo.

 

A respeito de meus detratores, cabe salientar que se trata de: [E aí o Senador cita um por um.]

 

– Fran Soares Júnior: Ex- presidente da Assembléia Legislativa do Estado do Amapá, afastado da presidência por corrupção, indiciado na CPI do Narcotráfico da Câmara dos Deputados em 2000 por formação de quadrilha, improbidade administrativa, associação ao narcotráfico, dentre outros delitos. 


[E se me permite, gostaria de ler uma declaração registrada em cartório deste Sr. Fran Soares Júnior. Ele declara:]

 

Pelo presente instrumento público de declaração, no pleno gozo de minhas faculdades mentais, na condição de Presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Amapá, venho tornar público que, na condução do meu processo de afastamento da Presidência desta Casa de Leis, adotei expedientes não convencionais que consistiram em adulterar documentos contra a pessoa do Deputado Estadual João Jorge Goulart Salomão de Santana, como forma de vinculá-lo a falsos ilícitos relativo ao uso dos recursos desta Casa. 

 

A presente declaração tem por objetivo esclarecer, invalidar ou substituir toda e qualquer documentação que venha a ser apresentada nos termos de que trata a presente declaração, mais especificamente, no que concerne a desmentir toda e qualquer denúncia falsamente proferida contra a pessoa do Deputado JOÃO JORGE GOULART DE SANTANA, envolvido no afastamento de minha pessoa da Presidência desta Casa.

 

A presente declaração é verdade e dela dou fé pública, estando apta a produzir seus efeitos legais junto a terceiros e aos Poderes Constituídos. 

 

Macapá-AP, 09 de março de 2000.
FRAN SOARES DO NASCIMENTO JÚNIOR
Presidente da Assembleia Legislativa

 

O Sr. Jorge Viana (Bloco/PT – AC) – V. Exª me permite um aparte?

 

O SR. JOÃO CAPIBERIBE (Bloco/PSB – AP) – Senador Jorge Viana.

 

O Sr. Jorge Viana (Bloco/PT – AC) – Eu queria, caro Senador Capiberibe, aqui ao lado do Senador Randolfe, e diante do Presidente Paulo Paim e dos colegas no Plenário, queria aqui prestar a minha mais absoluta solidariedade a V. Exª e ao Senador Randolfe. Conheço bem a luta dos senhores, de V. Exªs no Amapá. Conheço bem as vitóias que lá não bastam nas urnas, têm que ser nos tribunais, têm que ser na opinião pública, tem que ser no pós eleitoral e fiquei estarrecido de ver que, mais uma vez, se levanta contra V. Exª, Senador Capi, um esquema no sentido tentar atingir aquilo que V. Exª tem como poucos homens públicos nesse País que é dignidade, princípios éticos.

 

Estendo essas afirmações ao meu colega Randolfe que está aqui. Estão vítimas dessa situação toda. Veja, Sr. Presidente, o Senador Capiberibe e, amigos todos da Imprensa que estão vendo, o Senador Capiberibe acabou de ler um documento assinado pelo então Presidente da Assembleia, o mesmo que tenta forjar uma denúncia contra ele, contra o Senador Randolfe que ele registra em cartório, que ele usou de artifício, de artimanha, de falsidade para incriminar uma pessoa e que ele estava ali tirando tudo o que havia dito e que aquilo que ele tinha declarado, que ele tinha falado não tem validade nenhuma e ele faz um registro em cartório e, agora, ele repete as mesmas denúncias que ele fez, lá atrás, contra o Senador Capiberibe e o Senador Randolde. Eu acho que o lamentável é que por conta de atitudes assim é que o Brasil vai convivendo com situações que tendem a nos levar a um nivelamento por baixo e só faço este aparte aqui porque sei que o povo do Amapá conhece a história de V. Exª, Senador Capi, e do Senador Randolfe.

 

O Senador Randolfe é um dos mais brilhantes Senadores que esta Casa ganhou. O Senador Randolfe é um lutador aqui pelo povo do Amapá, pela Amazônia, pelo Brasil, por ética. É uma pessoa honesta, ética e decente. Aí vem político de quinta categoria, comprovadamente corrupto, envolvido em esquemas e sendo braço de crime organizado, atingir a honra de quem tem honra. Quer dizer, pessoas sem honra se utilizam das facilidades que temos hoje de acesso a novas mídias para atingir pessoas que o que tem na vida é a honra. Então, minha solidariedade, Senador Capi. Estou certo que estamos diante de um caso de polícia, não é de política. E um cidadão como esse tem que prestar conta na polícia pela bandidagem que anda fazendo contra pessoas de bem como é V. Exª, Senador Capi, e o Senador Randolfe.

 

O SR. PRESIDENTE (Paulo Paim. Bloco/PT – RS) – Senador Capiberibe, só para dizer que vou lhe dar o tempo necessário e que as palavras do Senador Jorge Viana sejam também a fala deste Presidente.

 

O SR. JOÃO CAPIBERIBE (Bloco/PSB – AP) – Obrigado, Senador Paim. Obrigado, Senador Jorge Viana.

 

Eu gostaria só de concluir, porque têm mais dois nomes aqui indicados pelo Senador Randolfe Rodrigues na sua carta, que são:

 

“- Moisés Souza: Ex- presidente da Assembléia Legislativa do Estado do Amapá, também afastado da presidência por corrupção, responde na justiça por formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, peculato, falsidade ideológica, fraude em licitações, corrupção passiva e falsidade documental, dentre outros delitos. Recebeu irregularmente R$139.594,71 em diárias nessa legislatura.

 

- Edinho Duarte: Deputado Estadual, assim como Moisés Souza, responde na justiça por formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, peculato, falsidade ideológica, fraude em licitações, corrupção passiva e falsidade documental, dentre outros delitos. Recebeu irregularmente R$213.149,97 em diárias nessa legislatura. Por aí é possível verificar que a intenção dos "denunciantes" é arrastar para a lama onde se encontram seu adversário político e principal denunciador.


Informo, ainda, que todas as medidas judiciais cabíveis estão sendo por mim tomadas em relação àqueles que me caluniam. Senador RANDOLFE RODRIGUES”

 

O Sr. Randolfe Rodrigues (PSOL – AP) – Senador Capiberibe, eu queria cumprimentar V. Exª. Eu já tinha utilizado a tribuna na semana passada, mas quero completar as informações de V. Exª, inclusive com a leitura da carta que foi lida por V. Exª neste momento. Na verdade, Senador Capiberibe, trata-se de uma busca de salvo-conduto do crime organizado no Amapá. É isso. Qual o melhor mecanismo de salvo-conduto para eles? Colocar todos na lama emporcalhada que eles frequentam. As acusações não batem com os fatos pelos depoimentos que existem, inclusive de Parlamentares que eram oposição ao senhor na época. E não batem com os fatos da razão. Eu era, com muito orgulho, base do Governo de V. Exª naquele momento. Não tinha como sustentar. O que o denunciante se esquece de falar é que ele foi enfrentado por nós desde o dia em que tomou posse na Presidência da Assembleia Legislativa.

 

O que ele não coloca no dossiê dele é matérias como essa, do Jornal do Dia da época. Na época, ele disse que nós recebíamos: Randolfe vence questão judicial contra o aludido denunciante. Na época que ele disse que nós recebíamos recursos indevidamente, nós íamos à Justiça para garantir o pagamento de salário, que ele se negava a pagar para aqueles Parlamentares que eram oposição a ele. Foi devido à atuação do vosso Governo, Senador Capiberibe, e devido à atuação que tivemos na Assembleia que esse senhor foi indiciado pela CPI do Narcotráfico, por envolvimento com tráfico de drogas. Foi devido à nossa atuação que o senhor e eu, na época, fomos ameaçados de morte e tivemos que andar com segurança, devido ao esquema criminoso, naquela época, orquestrado por esse senhor.

 

Na verdade, o que buscam, repito, é um salvo-conduto, porque o esquema criminoso da época não foi desmontado. Aliás, nos anos seguintes, quando terminou vosso Governo, esse esquema se fortaleceu, resultando na Operação Mãos Limpas da Polícia Federal, que levou boa parte deles para as celas penitenciárias da Polícia Federal, para as celas penitenciárias da Papuda, aqui, em Brasília. Esses senhores foram novamente enfrentados por nós agora, recentemente, quando nós, eu e V. Exª apoiamos as ações do Ministério Público Estadual e do Ministério Público Federal para afastar o corrupto Presidente da Assembleia Legislativa, Sr. Moisés Souza. Eles foram enfrentados por nós agora e eles tentaram caluniar – pasmem! – o Ministério Público. Na verdade, isso está esclarecido. Nós mesmos fomos à Procuradoria-Geral da República na semana passada ...e solicitamos ao Procurador-Geral da República a investigação. Amanhã eu terei acesso ao meu sigilo bancário, da Caixa Econômica Federal e do Banco do Brasil, que comprova a inexistência de qualquer acusação, e receberemos também os documentos da Assembleia Legislativa. Além disso, solicitei perícia nos documentos.

 

O vagabundo, bandido, caluniador vai responder na Justiça por mais um crime, agora por calúnia e difamação. Pouca diferença fará para ele, visto que alguém que foi indiciado por tráfico de drogas, ameaça à integridade física de pessoas, corrupção ativa, corrupção passiva, peculato e formação de quadrilha pouco vai se preocupar com calúnia, injúria e difamação. De qualquer forma, terá mais um processo para responder.

 

Por fim, Senador Capiberibe, trata-se de uma ofensiva do crime organizado do Amapá. Advirto o crime organizado do Amapá: não passarão, vão perder mais essa e não vão nos levar para chafurdar no esquema emporcalhado da lama da corrupção que eles, lamentavelmente, movimentaram no Amapá durante anos. Que fique claro: o tempo da corrupção, dos desmandos e do comando do crime organizado nas coisas públicas do Amapá acabou.

 

O SR. JOÃO CAPIBERIBE (Bloco/PSB – AP) – Obrigado, Senador Randolfe. 


A estratégia dos políticos desonestos é colocar todos na vala comum para que não haja salvação, para que não haja esperança. Faço este alerta para quem está nos ouvindo, para os aqui presentes: esta é uma estratégia muito comum, colocam todos na podridão, chafurdando na lama, para que não haja nenhuma diferença. 

 

Concedo a palavra ao Senador Rodrigo Rollemberg.


O Sr. Rodrigo Rollemberg (Bloco/PSB – DF) – Senador Capiberibe, Senador Randolfe, eu quero lhes dizer que V. Exªs não precisariam nem perder tempo trazendo explicações sobre essas mentiras que estão sendo reproduzidas em alguns veículos de comunicação. O Senado Federal e o Brasil conhecem V. Exªs, têm acompanhado a trajetória de V. Exªs e sabem, Senador Capi, têm a convicção de que V. Exª, entre os políticos das últimas gerações, foi o político mais injustiçado deste País. Um homem íntegro, correto, honesto, que fez um grande governo, que iniciou um processo histórico de transparência nas contas públicas teve o seu mandato cassado porque teve a coragem de enfrentar o crime organizado em seu Estado.

 

Agora, nós todos acompanhamos a trajetória brilhante do Senador Randolfe e compartilhamos dessa mesma opinião, de que é um jovem político correto, honesto, promissor. Já naquela época, eu acompanhava, também, o desempenho do então Deputado Randolfe, ameaçado de morte, naquela época, pelo enfrentamento ao crime organizado. Mas V. Exªs têm de se acostumar. Efetivamente, isso é o que acontece com aquelas pessoas destemidas que se dispõem a enfrentar o crime organizado; o que V. Exªs estão fazendo – e fazem muito bem –, com o apreço da população brasileira, com a admiração da população brasileira e com o reconhecimento da população do Estado do Amapá. Portanto, Capí, eu não vou nem usar nem a palavra solidariedade a V. Exª e ao Senador Randolfe, porque V. Exªs não precisam de solidariedade. Apenas para registrar aquilo que parte do Brasil já sabe e que o Brasil todo precisa saber: esse é o preço que dois Senadores que combatem o crime organizado pagam pela coragem e pelo destemor de fazê-lo.

 

Portanto, receba aqui a manifestação do nosso apreço, da nossa admiração, tanto V. Exª, que para a gente é uma referência dentro do PSB, como o Senador Randolfe, também, que tem trilhado um caminho que honra muito o Senado brasileiro.


O SR. JOÃO CAPIBERIBE (Bloco/PSB – AP) – Obrigado, Senador Rollemberg. Eu queria lembrar que, em 2004, nós tivemos de expulsar um representante do crime organizado que andava de crachá aqui dentro do plenário dessa Casa. De tão acintoso que era o cerco contra nós, eles vinham aqui para dentro. É só para que a gente não se esqueça do que nós vivemos.

 

E o Senador Randolfe foi forjado nessa luta, no combate, no confronto com esse tipo de gente. Por isso está sofrendo os constrangimentos que vive hoje.


A Srª Lídice da Mata (Bloco/PSB – BA) – Senador Capiberibe, para me colocar ao lado de V. Exª e do Senador Randolfe em mais essa batalha. Aliás, eu tive a oportunidade de ir ao Amapá diversas vezes durante o seu governo, acompanhar sua luta, sua resistência, resistência ao crime organizado naquele Estado, resistência às práticas de corrupção. E não é à toa que, hoje, nós vemos a reviravolta que está sendo feita na política do Amapá, porque o povo não concorda com a prática dessa gente. Mas o desespero deles – o desespero de saber que não é possível mais fazer o que faziam antes no Amapá – é que justifica essas ações.


Portanto, V. Exª nunca deixou de ter a Bahia, tanto o seu partido na Bahia, como diversos outros partidos progressistas da Bahia, ao seu lado, quando, por diversas vezes, estivemos a denunciar as perseguições vividas por V. Exª naquele Estado e a firmeza de posições políticas e ideológicas com que sempre as enfrentou. E, agora, a tentativa de colocar nesse mesmo barco de nódoa, de práticas corruptas, V. Exª e o Senador Randolfe, poderia até ser engraçada, não fosse a tragédia que atinge o povo do Amapá com a presença na política dessas figuras. Muito obrigada.


O SR. JOÃO CAPIBERIBE (Bloco/PSB – AP) – Obrigado, Senadora Lídice.


O Sr. Antonio Carlos Valadares (Bloco/PSB – SE) – Senador Capiberibe, Senador Randolfe Rodrigues, quero crer que essa campanha difamatória é uma arma utilizada pelos seus adversários na tentativa de contê-los na luta que, juntos, V. Exªs empreendem para alterar os mecanismos de corrupção, de violência e de ameaças utilizados por aqueles que os acusam através de notas inseridas nas redes sociais, falsificadas, conforme comprova nota divulgada pelo Senador Randolfe Rodrigues. V. Exª, não é de agora, Senador Capiberibe, vem sofrendo em conseqüência dessa luta. Não desista nem tampouco Randolfe Rodrigues, porque é uma luta sã, é uma luta que conta com a sociedade do Amapá e com o beneplácito de todos os Senadores que honram esta Casa. Por isso, a minha solidariedade e o acompanhamento diário desse assunto, porque, se for necessário, estaremos lá instalando uma comissão de Senadores para averiguar pessoalmente essas perseguições e essas ameaças de que são vítimas V. Exªs.


O SR. JOÃO CAPIBERIBE (Bloco/PSB – AP) – Obrigado.


O SR. JOÃO CAPIBERIBE (Bloco/PSB – AP) – Obrigado, Senador Valadares. Muitíssimo obrigado.


O Sr. Paulo Davim (Bloco/PV – RN) – Senador Capiberibe, Senador Randolfe, eu não poderia deixar, neste momento, de levar a minha palavra de solidariedade aos dois companheiros, aos dois colegas Senadores. V.Exª tem uma história que o Brasil inteiro conhece, nós conhecemos, conhecemos a sua conduta, o seu caráter, o seu compromisso com a democracia, fez parte do momento histórico deste País; portanto, o Brasil inteiro conhece sobejamente as suas ações e o seu caráter. Da mesma forma que a história do Senador Randolfe também todos nós conhecemos. Assim, eu levo aqui a minha palavra, a minha solidariedade e refuto peremptoriamente qualquer leviandade que por acaso estejam levantando contra dois Senadores que são exemplos nesta Casa. Vai aqui a minha solidariedade para V.Exª e o Senador Randolfe.


O SR. JOÃO CAPIBERIBE (Bloco/PSB – AP) – Muito obrigado, Senador.


O Sr. Aloysio Nunes Ferreira (Bloco/PSDB –SP) – Meu caro Senador Capiberibe, quando eu tive conhecimento das torpezas espalhadas contra V.Exª e contra o Senador Randolfe Rodrigues, eu me lembrei de muitos anos atrás, quando V.Exª foi Governador outra vez, e eu trabalhava com o Presidente Fernando Henrique na Secretaria Geral da Presidência da República. Mesmo esquema. Eu sei da luta que V.Exª travou para quebrar um grupo poderoso, um grupo em que se misturavam interesses políticos com crimes; eu sei da coragem com que V.Exª enfrentou; e agora voltaram à carga. V.Exª pode ficar absolutamente tranquilo, todos nós sabemos que V.Exª é rigorosamente um homem de bem, assim como essa jovem revelação – para nós – da política brasileira que é o nosso querido amigo e companheiro Randolfe Rodrigues. Tenha V.Exª e também o Senador Randolfe Rodrigues a minha total, integral solidariedade para o que der e vier.


O SR. JOÃO CAPIBERIBE (Bloco/PSB – AP) – Obrigado Senador, obrigado. 


Eu vou concluir Sr. Presidente, mas sem antes dizer que uma das maiores satisfações da minha vida política é ver o Amapá neste momento com três lideranças políticas jovens; com o Senador Randolfe Rodrigues que representa o nosso Estado aqui com brilhantismo; com o Governador Camilo Capiberibe e o Prefeito de Macapá, Clécio Vieira.


Os três têm 40 anos, os três foram forjados na luta, os três têm uma história, mesmo sendo tão jovens. Essa é a grande satisfação. E é por isso essa reação...


É porque sabem que esses jovens vão dar continuidade ao modelo novo de fazer política, de transformações que aquela sociedade precisa. E é por isso que eles estão se aglutinando e voltando a atacar. Só que desta vez, diferentemente daquele período em que me cassaram o mandato, em 2005, naquela época eu estava isolado, hoje nós temos dois Senadores nesta Casa, nós temos o Governador, nós temos vários Deputados Federais e o Brasil mudou muito, há muito mais transparência hoje. Mas encerro, Sr. Presidente, dizendo que há uma coisa que me constrange, que é ver um lixo como esse dossiê ser encaminhado ao Procurador-Geral da República pelo Presidente do Senado, sem que ao menos fôssemos, eu e o Senador Randolfe Rodrigues, sem que tivéssemos conhecimento de que a Casa faria isso. É a primeira vez, na história desta Casa, que se encaminha uma denúncia à Procuradoria-Geral da República. É verdade que nós fomos opositores ao Senador Renan Calheiros, mas eu confesso que jamais me passou pela cabeça que algo assim pudesse ocorrer tendo aqui nesta Casa uma Corregedoria onde nós podemos ser ouvidos. E eu tenho a convicção de que, depois de mostrar uma declaração como essa, em que o signatário desse dossiê se assume como falsário, eu acho que isso não poderia ir mais longe, teria que ir, sim, para a cesta do lixo. Esse dossiê só merece um lugar: a cesta do lixo. E era o que o Presidente desta Casa deveria ter feito.


Muito obrigado, Sr. Presidente.

 

O SR. RANDOLFE RODRIGUES (PSOL - AP) – Só em relação ao último aspecto aqui destacado pelo Senador Capiberibe. Tivemos conhecimento de que o Presidente encaminhou para a Procuradoria-Geral da República, nós mesmos tínhamos nos antecedido, em relação a esses fatos, mas quero exultar, emular, parabenizar, o Presidente por esse procedimento no sentido de acreditar que isso passa ser agora um procedimento na Casa.

 

Acho que nós, como somos homens da República, tem um princípio na Constituição que diz: Qualquer um é inocente até que se prove o contrário. Mas eu sempre digo que esse princípio não vale para homens republicanos. Qualquer acusação sobre nós merece o mais radical esclarecimento por parte das instituições.

 

O Presidente o fez. Nós já tínhamos feito. Que assim seja, e que o quanto antes, tenho certeza, todos esses fatos serão esclarecidos. 

 

Aliás, não vamos alongar isso. Esta semana esses fatos serão esclarecidos, só que em relação ao procedimento. Espero e quero acreditar que esse seja, a partir de agora, um procedimento a ser adotado uniformemente por parte da Casa. 
Obrigado pela condescendência, Presidente Jorge Viana. 


O SR. JARBAS VASCONCELOS (Bloco/PMDB – PE. – Sr. Presidente, eu queria me incorporar ao pronunciamento do Senador Randolfe. Primeiro, para estranhar essa agilidade, essa rapidez com que agiu a Presidência contra os dois Senadores, um do Amapá; aliás, os dois do Amapá; e dizer que isso, obrigatoriamente, a partir de agora, tem que se tornar uma rotina da Mesa. Eu confio muito em V. Exª como 1º Vice-Presidente. Que qualquer denúncia que chegar aqui, agora, seja de imediato, dentro de 24 horas, encaminhada ao Supremo, à Polícia Federal, a quem quer que seja, para que sejam adotadas as providências. Aí sim, realmente isso passa a ser uma coisa inusitada. Isso é uma mudança; ou seja, o que o Presidente fez com relação aos dois Senadores é uma mudança de comportamento. E vamos ver se essa mudança perdura ou se essa mudança foi apenas e tão somente com relação aos dois Senadores..

 

A SRª ANGELA PORTELA – Sr. Presidente, Senador Jorge Viana, também quero aqui demonstrar a minha solidariedade aos dois Senadores do Amapá, Randolfe e João Capiberibe, dois grandes Senadores que muito honram o povo do Amapá e o povo brasileiro. Saibam, queridos Senadores, que aqui há um reconhecimento do sério trabalho, da conduta digna de cada um de vocês.

 

Então, quero aqui registrar a nossa solidariedade, o nosso carinho e o nosso respeito à conduta de vocês como Senadores da República do nosso País. 

 

A SRª ANA AMÉLIA – Eu estava fora do plenário, mas queria me associar às manifestações do Senador Jarbas Vasconcellos, do Senador Aloysio Nunes Ferreira e de outros que fizeram uma manifestação de apoio e solidariedade ao Senador Randolfe Rodrigues e ao Senador Capiberibe. Também, na mesma linha dos Senadores que me antecederam, quero dizer que essa providência tem que ser uma providência rotineira e de tratamento igual para todos nesta Casa. A providência – me refiro – tomada pelo Presidente, de encaminhar ao foro competente as denúncias recebidas contra os Parlamentares. Mas hipotecar os dois Senadores a minha total solidariedade porque a questão político-eleitoral, a disputa não pode pressupor o enxovalhamento da moral e do patrimônio pessoal de cada Parlamentar.

 

Então, eu queria fazer esse registro renovando a solidariedade aos dos Senadores e também pedir ao Presidente que tome igual providência em todos os casos que aconteçam análogos a esses.

 

Muito obrigada, Sr. Presidente.

 

O SR. PEDRO TAQUES – Apenas para me associar também ao que disse a Senadora Ana Amélia, emprestar ao Senador Randolfe Rodrigues e ao Senador Capi, falando carinhosamente, diante dessas denúncias. Quero dizer que “pau que bate em Chico também bate em Francisco”, que essa providência do Presidente do Senado seja em relação a todos os casos, que nós possamos ser useiros e vezeiros, termos isso como uma rotina nesta Casa. Assim, quero cumprimentar o Presidente e dizer que a rotina é o melhor caminho. Processo, sistema.

 

Muito obrigado.

 

 

Publicado em Notícias

 019 - cpia

 

A Proposta de Emenda Constitucional 24 (PEC 24), que institui o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Segurança Pública, foi tema de reunião entre o senador João Capiberibe (PSB/AP), autor da proposta, o presidente da Confederação Brasileira de Trabalhadores Policiais Civis (Cobrapol), Janio Bosco Gandra, o presidente e o vice-presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Estado do Amapá, Elias Ferreira Rodrigues e Antonio Cezar Sotelo, respectivamente.

 

A reunião aconteceu nesta segunda-feira, 18, no gabinete de Capiberibe, em Brasília, onde os profissionais consolidaram o apoio ao senador e à PEC 24, e se propuseram a contribuir com a divulgação da proposta.

 

“Eu já conhecia a PEC 24, pois supervisionamos e selecionamos os melhores projetos em tramitação no Congresso, para oferecer nosso apoio na tramitação e aprovação dos mesmos” – disse Elias Ferreira.

 

De acordo com o projeto, que está na Comissão de Constituição e Justiça do Senado (CCJ), o Fundo terá um Conselho Consultivo e de Acompanhamento, com participação de representantes da sociedade civil, e a execução financeira será realizada por meio de transferência aos Estados e ao Distrito Federal, com fiscalização do TCU (Tribunal de Contas da União) e dos órgãos de controle interno do Poder Executivo Federal. 

 

Janio Gandra elogiou a iniciativa de João Capiberibe de sugerir uma política nacional de segurança pública, uma vez que os estados não têm condições de combater o aumento da violência sem o apoio da União.

 

- A polícia precisa de um olhar de apoio, um braço de incentivo, o policial precisa ser visto como cidadão e a PEC 24 tem gerado uma grande expectativa, para nós, profissionais, justamente por proporcionar este “fôlego” – ressaltou Gandra.

 

Capiberibe disse que sua intenção é criar um “laço de solidariedade”, entre União, Estados e Municípios.

 

- Os estados gastam hoje com segurança o que bem entendem. Com a aprovação da PEC 24 , nós vamos acabar com esta improvisação porque haverá uma política efetiva de segurança pública, onde cada instância terá de cumprir seu papel – destacou.

 

Eventos Nacionais

Em eventos organizados pela Associação Nacional das Entidades Representativas de Cabos e Soldados Policiais e Bombeiros Militares (ANERCS), o senador Capiberibe apresenta os detalhes e recolhe sugestões destes profissionais para o aperfeiçoamento da PEC 24.

 

Os encontros já ocorreram, no ano passado, em Campo Grande/MS (agosto), em Goiânia/GO (setembro) e em Belo Horizonte/MG (novembro), e em Macapá (fevereiro/2013). As próximas cidades a sediarem o evento serão São Paulo (abril) e Aracaju (maio). A intenção do senador é realizar os próximos debates em Brasília, dentro do Congresso Nacional.

 

- Precisamos mobilizar a opinião pública para o combate à violência urbana, que é crescente. E sem uma política nacional, não vejo como controlar a violência, apesar do esforço feito pelos estados – afirmou o senador. 

 

O projeto pode ser acessado por meio do link:

http://www.senado.gov.br/atividade/materia/getPDF.asp?t=107846&tp=1

 

Texto e foto: Aline Guedes

Publicado em Notícias
Pagina 1 de 2
bannerda tv

PRESTAÇÃO DE CONTAS 2017

00000001

capi sustentavel

livro morte nas aguas

capi youtube
Sua ideia pode virar Projeto de Lei

Newsletter

  1. Twitter

Endereço

Ala Sen. Afonso Arinos - Gab. 08
CEP: 70.165-900 Brasília/DF
Telefone: (61)3303-9011
Fax: (61)3303-9019
Email:  O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.